Rebeca Andrade ganha ouro em Tóquio no salto da ginástica artística

Ginasta brasileira qie já havia conquistado prata agora vai ao lugar mais alto do pódio da Olimpíada

Rebeca Andrade fez o salto “perfeito” e conquistou a medalha de ouro para o Brasil na final do salto neste domingo, 1 de agosto, fazendo história mais uma vez ―uma expressão que já virou clichê para explicar o brilhantismo da atleta de Guarulhos, em São Paulo. Aos 22 anos, Rebeca Andrade entra para o Olimpo da ginástica artística mundial, ostentando no peito não só a épica medalha de prata que conquistou na final da ginástica artística individual feminina, na sexta, mas agora também subindo ao topo do pódio nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

A brasileira cravou 15.166 na pontuação no primeiro salto, mas no segundo sofreu um pequeno deslize e terminou com a nota média de 15.083. A nota foi um pouco inferior aos 15.100 marcados nas classificatórias, quando finalizou com a terceira maior marca entre todas as ginastas. Mas ainda assim superior ao que todas as concorrentes alcançaram. Ela disputou a final no salto com Mykayla Skinner e Jade Carey dos Estados Unidos, a mexicana Alexa Moreno, Seojeong YEO da Coreia do Sul, Shallon Olsen do Canadá e as russas Angelina Melnikova e Liliia Akhaimova.

Nas semis, apenas duas concorrentes tinham ficado a sua frente nas semis: as norte-americanas Jade Carey e Simone Biles. Mas a atual campeã olímpica e mundial no aparelho, Simone Biles —que era uma das favoritas ao ouro na prova —, desistiu de disputar a final do aparelho dias antes para cuidar de sua saúde mental, numa corajosa atitude que comoveu o mundo, e que alçou a brasileira Rebeca Andrade ao favoritismo na prova.

O Brasil agora torce pela ginasta na prova de solo que acontece nesta segunda e promete surpreender o Brasil mais uma vez. Em entrevista ao Globo Esporte na véspera, Rhony Ferreira, o coreógrafo de Rebeca, adiantou que a atleta tem uma “carta na manga” para a exibição de solo individual e que o “baile de favela, não será apenas para a favela, mas um baile pra o Brasil inteiro”.

Com a nova conquista, Andrade se tornará uma recordista de medalhas do time brasileiro em uma única Olimpíada, igualando-se ao feito de Isaquias Queiroz que nos Jogos do Rio de 2016, conquistou três pódios — duas medalhas de prata e uma de bronze —na canoagem.