Novo Lino: Justiça decreta prisão prisão preventiva de 14 suspeitos de participarem de organização criminosa

Tráfico de drogas, roubos, homicídios, venda de armas, formação de quadrilha, são alguns dos crimes cometidos pelo grupo

*Com informações e foto: Assessoria PC/AL

O Poder Judiciário, através da 17ª Vara Criminal da Capital, transformou em prisão preventiva a decisão de levar para cadeia 14 suspeitos de participarem de uma organização criminosa que foi desmantelada no final do mês de julho, na região Norte de Alagoas, durante a denominada “Operação Imperatriz”, que mobilizou as polícias Civil, Militar, integrantes da Secretaria de Segurança Pública, e a polícia de Pernambuco. A informação foi dada pelo delegado Isaías Rodrigues, titular da Delegacia Regional de Novo Lino, nesta sexta-feira (03).

Os presos estariam envolvidos com o tráfico de drogas, roubos, homicídios, venda de armas, formação de quadrilha, dentre outros crimes.

Além das prisões, a ação resultou na apreensão de armas – espingarda calibre 20, rifle calibre 38, munições -, cigarros contrabandeados, celulares, notebook, pendrives, cartões de memória, HDs e câmera digital.

Através do serviço de inteligência da polícia, foi feita uma extensa investigação que levou meses, até que todos os integrantes da organização criminosa fossem identificados.

O grupo criminoso estava sendo investigado há, pelo menos, seis meses e possuía ramificações entre presidiários no estado de Pernambuco e Alagoas. A quadrilha seria comandada por uma mulher que fazia o elo entre os criminosos para planejar homicídios e tráfico de drogas, especialmente na cidade alagoana de Colônia de Leopoldina. 

Quatro integrantes da organização criminosa ainda estariam foragidos.

O delegado Isaías Rodrigues destacou o apoio recebido do secretário de Segurança Pública, Alfredo Gaspar, do delegado-geral Carlos Reis e do diretor do GPJ 2, delegado Guilherme Sillero, para o sucesso da operação.